Setor gráfico emite sinais de recuperação

Alta do dólar favoreceu alguns setores da indústria gráfica e balança comercial fechou trimestre em superávit de US$ 21,8 milhões
Levi Ceregato, presidente da Abigraf Nacional | © DivulgaçãoLevi Ceregato, presidente da Abigraf Nacional | © Divulgação

A Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf Nacional) divulgou os números da produção gráfica brasileira no segundo trimestre de 2016. O que se vê é um crescimento de 1,5% no volume da produção física em relação ao primeiro trimestre do ano (a entidade chegou a esse número depois de descontar o padrão sazonal da indústria gráfica). “O setor dá sinais de estabilização e ensaia uma recuperação”, observou Levi Ceregato, presidente da Abigraf Nacional. A performance do setor gráfico foi impactada positivamente pela alta do dólar. “Alguns setores da indústria têm sido beneficiados pela variação cambial. Em parte, pelo aumento das exportações e certamente pela substituição de importações. Além disso, o ajuste dos estoques tem permitido dados mais favoráveis de produção”, analisou.No período, a balança comercial do setor registrou superávit de US$ 21,8 milhões graças a um incremento das exportações que fecharam o trimestre em US$ 78,3 milhões, crescimento de 14% em comparação ao mesmo período do ano passado. Já as importações registraram queda de 15%, encerrando o trimestre com US$ 56,5 milhões. Mas, Ceregato observa que uma recuperação mais expressiva do setor dependerá da retomada da demanda interna. “É baixo o peso do setor externo na indústria como um todo, e nas gráficas, particularmente”, pontuou.

Com esse novo cenário, a entidade reviu a sua estimativa de queda neste ano. De acordo com os novos cálculos da Abigraf Nacional, a indústria gráfica deve fechar o ano com queda de 3% e não mais de 10%, como era esperado.

As melhoras nos resultados impactaram também o Índice de Confiança do Empresário da Indústria Gráfica. Segundo o levantamento da Abigraf Nacional, numa escala de 0 a 100, o empresário do setor está 43,9 confiante. O indicador teve aumento de 2,8 pontos percentuais em relação ao trimestre anterior.

Fonte: Publishnews