Inscrições para 14° Prêmio Barco a Vapor vai até o final de janeiro de 2018

Para essa edição a novidade é que o vencedor terá o livro publicado no mesmo ano em que a obra foi selecionada

noticia_795043_img1_prmio-literatura

Estão abertas as incrições para o 14º Prêmio Barco a Vapor de Literatura Infantil e Juvenil até o dia 31 de janeiro de 2018. A premiação, que acontece todo ano no Brasil, também ocorre em outros oito países como Espanha, México, República Dominicana, Peru, Porto Rico, Chile, Colômbia e Argentina.

Escritores não profissionais também têm a chance de concorrer ao prêmio. A inscrição é gratuita e o vencedor, além de ter seu texto original publicado na coleção  Barco a Vapor, também receberá um adiantamento de R$ 40 mil no que se refere aos direitos autorais. Mas a novidade é que agora o autor vencedor terá o livro publicado no mesmo ano em que a obra for selecionada.

A análise das obras é feita por dois júris formados de profissionais e especialistas em literatura. Apenas um original é selecionado, independentemente da categoria, se infantil ou juvenil. A entrega do prêmio ao ganhador e homenagens aos finalistas acontecerão na própria cerimônia de premiação, que sempre acontece no segundo semestre do ano.

13° Edição do Prêmio Barco a Vapor 

A última edição, que incluiu nomes comoJulián Fuks, escritor e crítico literário, e Noemi Jaffe, professora e doutora em literatura brasileira pela USP no júri, teve como vencedor o recifense Tadeu Sarmento com a obra O Cometa é um Sol Que Não Deu Certo. Este é o primeiro livro infantil de Tadeu Sarmento, já vencedor de outros dois prêmios literários com livros adultos. Segundo ele, a inspiração para escrever a obra veio a partir da trágica imagem do menino sírio que se afogou durante a travessia do Mediterrâneo, em 2015. A crise de refugiados, tema atual de extrema relevância, que põe em cena os efeitos dramáticos da intolerância político-religiosa e racial, é trabalhada pelo autor de modo ao mesmo tempo realista e poético, com enredo consistente e personagens empáticos.

História do Prêmio Barco a Vapor

Criado pela Fundação SM, o Prêmio Barco a Vapor surgiu na Espanha, em 1978, com a missão de ampliar o número de autores e a relevância da literatura infantil e juvenil. No país espanhol, uma informação curiosa é que a premiação, que recebe intenso apoio do governo e de ações de voluntários, é feita pela própria rainha Letícia, acompanhada de Cristina Cifuentes, presidente da Comunidade de Madri, e do Secretário de Estado da Educação, Formação Profissional e Universidades, Marcial Marín Hellín.

No Brasil, até o momento, já são 13 livros publicados. Entre eles, estão Pivetim, do jornalista Délcio Teobaldo, O Vento de Oalab, do carioca João Luiz Guimarães, Adeus é para super-heróis, da jornalista mineira Isabela Noronha, e A conta-gotas, da psicanalista e educadora Ana Carolina Carvalho.

As inscrições para concorrer ao prêmio são gratuitas e podem ser feitas pelo link.

Fonte: Bem Paraná