Em época de crise no mercado, editoras se aproximam dos leitores

Livros e quadrinhos deixaram de chegar nas grandes lojas. E para suprir o mercado, editoras criam lojas físicas e virtuais

 

Vivemos o período que a palavra-chave é reinventar. O mercado editoral vive atualmente essa mutação, nunca se lançou tantos livros e quadrinhos como atualmente. A procura continua, a demanda é alta, o acabamento é cada vez mais bem feito. E mesmo com todo esse cenário montado a crise editorial é uma realidade, grandes lojas estão fechando e quem continua com as portas abertas não paga os fornecedores. E as editoras são as mais prejudicas no momento, por causa dos altos custos de produção de um quadrinho, por exemplo. Tudo funciona, mas na hora de receber o negócio trava.

Para passar por esse momento ruim do mercado muitas editoras decidiram conversar diretamente com os seus próprios clientes. A Editora Mythos atualmente publica quadrinhos europeus, material da Bonelli, Hellboy, entre outros… E recentemente inaugurou uma loja fisica na Rua Augusta, um dos pontos mais movimentados de São Paulo. Segundo Joana Rosa Russo, que trabalha no departamento comercial da Mythos, essa é uma estratégia planejada há muito tempo. “A gente começou sentir a necessidade por conta dos problemas com as livrarias. Mas também é uma medida de se aproximar do leitor e trazer coisas exclusivas. Acreditamos que o maior patrimônio da editora é o leitor. Por isso viemos para a Rua Augusta, um lugar descolado, dinâmico e perto do metrô”, explica Joana.

A loja fica dentro de uma galeria conhecida na região e vai funcionar de quinta a domingo e conta com ótimos descontos. “Aqui na loja vamos funcionar com o esquema de rotatividade de descontos teremos semanas com linhas especificas de desconto. E vão variar de 10% até 70%. E quem sabe 80% um dia”, revela Joana.

Quem compra na loja física da Mythos ganha desconto e brindes

A Editora Mino aposta alto na sua nova loja online, que também conta com muitos descontos, e venda casada com brindes exclusivos. Quem comprou o último lançamento da Mino – Drácula por Mike Mignola e Roy Thomas – pelo site ganhou um lindo pôster. “Precisamos falar direto com nosso público, isso sempre foi a intenção da Mino e a gente sempre buscou fazer isso. Seja indo em todos os eventos, seja tendo esse canal de venda. Acredito que nesse momento falar com nosso público é cada vez mais importante”, diz Janaína de Luna, editora-chefe da Mino. Esse ano a Mino vai lançar o quadrinho Gildeons Falls e já enviou para alguns clientes uma amostra da HQ do Jeff Lemire, todo esse trabalho funciona muito bem para cativar o público, segundo Janaína. “Estamos fazendo um trabalho de aproximação, a gente está sempre fazendo eventos, a gente faz vídeos, a gente abre discussões sobre o fazer quadrinhos, enfim, esse tipo de criação de conteúdo às vezes é até mais efetivo para atrair leitores do que o simples desconto, porque desconto por desconto as grandes redes também podem fazer”, finaliza.

A Editora JBC é conhecida por lançar muitos mangás mensalmente, mas nos últimos três meses as publicações estão em um ritmo desacelerado. Eles tiveram que fazer um novo planejamento para levar as suas públicações as bancas e lojas especializadas. Cassius Medauar, gerente de conteúdo da JBC, revelou que a Editora já previa essa mudança no mercado. “Sempre atendemos lojas especializadas e livrarias, mas de uns 3 anos pra cá diversificamos ainda mais, assim as bancas já não representavam a maior parte de nossas vendas. Chegamos a lançar quase 20 títulos por mês, mas enxugamos nossa grade a partir da metade de 2016, entendendo que o mercado não comportaria mais aquilo”, conta Cassius. Uma outra solução possível de aproximação com os leitores é o serviço de streaming. A página Social Comics já está estabelecida no mercado e conta com um grande acervo de quadrinhos nacionais e também obras de fora do país. É possível baixar o aplicativo e testar para depois fechar um plano.

Mangás da JBC são impressos e agora digitais

Para a Mythos, a loja fisica está funcionando… Na Mino, a virtual será de grande ajuda. Mas a JBC, atualmente, é a única que está apostando forte em conteúdo digital. Muitos títulos já estão dísponiveis no formato para e-reader, algo que o brasileiro ainda não está acostumado, mas que pode ser o futuro daqui pra frente. “O digital é um plano de longo prazo, mas é algo que pode ajudar muito o mercado editorial como um todo. Outra coisa a se fazer é investir nas lojas especializadas e outras livrarias, além de prospectar pontos alternativos”, finaliza Cassius Medauar.

Links:

Mythos – Rua Augusta, 1416, dentro da galeria “Mais um Pouco de Tudo”.

https://www.lojamythos.com.br/

Mino – http://www.editoramino.com/loja/

Social Comics – http://www.socialcomics.com.br

 

Fonte: Portal R7